Paginas

terça-feira, 30 de setembro de 2014

O Vendedor De Balões

Era uma vez um velho homem que vendia balões numa quermesse. 
Evidentemente, o homem era um bom vendedor, pois deixou um balão vermelho soltar-se e elevar-se nos ares, atraindo, desse modo, uma multidão de jovens compradores de balões. 
Havia ali perto um menino negro. 
Estava observando o vendedor e, é claro apreciando os balões. 
Depois de ter soltado o balão vermelho, o homem soltou um azul, depois um amarelo e finalmente um branco. 
Todos foram subindo até sumirem de vista. 
O menino, de olhar atento, seguia a cada um. 
Ficava imaginando mil coisas... 
Uma coisa o aborrecia, o homem não soltava o balão preto. 
Então aproximou-se do vendedor e lhe perguntou: 
- Moço, se o senhor soltasse o balão preto, ele subiria tanto quanto os outros? 
O vendedor de balões sorriu compreensivamente para o menino, arrebentou a linha que prendia o balão preto e enquanto ele se elevava nos ares disse: 
- Não é a cor, filho, é o que está dentro dele que o faz subir.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

O Maior Valor

As coisas de maior valor que podemos obter da vida não custam nenhuma moeda sequer. 
Elas são conseguidas junto aqueles que tem os bens mais valiosos que se pode possuir e que jamais poderão ser comprados: O Amor e a amizade. 
Com esses dois bens podemos dizer com toda a certeza que somos as pessoas mais ricas do mundo e que sempre haverá motivos para querermos compartilhar dessa riqueza com aqueles que ainda se sentem pobres de espírito. 
Com essa riqueza podemos mudar o mundo e fazê-lo lembrar também que antes de qualquer metal ou joia ser considerado precioso já havíamos nascido ricos e que isso que hoje em dia é considerado precioso e indispensável é apenas um acessório. 
Todo o ouro e riqueza que muita gente tenta desesperadamente adquirir nada mais são do que bijuterias comparado a essas verdadeiras riquezas que podemos oferecer. 
Um dia o que é de valor mesmo será notado. 
E até lá cabe a cada um de nós mostrar o que é e onde se encontra esse grande valor: O valor de se estar vivo e poder sentir a vida através do amor que os outros tem a nos oferecer.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Jóias Raras

Narra antiga lenda que um rabi, religioso dedicado, vivia muito feliz com sua família. Esposa admirável e dois filhos queridos.
Certa vez, por imperativos da religião, o rabi empreendeu longa viagem ausentando-se do lar por vários dias.
No período em que estava ausente, um grave acidente provocou a morte dos dois filhos amados.
A mãe sentiu o coração dilacerado de dor. No entanto, por ser uma mulher forte, sustentada pela fé e pela confiança em Deus, suportou o choque com bravura.
Todavia, uma preocupação lhe vinha à mente: como dar ao esposo a triste notícia?
Sabendo que era portador de insuficiência cardíaca, temia que não suportasse tamanha comoção.
Lembrou-se de fazer uma prece. Rogou a Deus auxílio para resolver a difícil questão.
Alguns dias depois, num final de tarde, o rabi retornou ao lar.
Abraçou longamente a esposa e perguntou pelos filhos...
Ela pediu para que não se preocupasse. Que tomasse o seu banho, e logo depois ela lhe falaria dos moços.
Alguns minutos depois estavam ambos sentados à mesa. Ela lhe perguntou sobre a viagem, e logo ele perguntou novamente pelos filhos.
A esposa, numa atitude um tanto embaraçada, respondeu ao marido: deixe os filhos. Primeiro quero que me ajude a resolver um problema que considero grave.
O marido, já um pouco preocupado perguntou: o que aconteceu? Notei você abatida! Fale! Resolveremos juntos, com a ajuda de Deus.
- Enquanto você esteve ausente, um amigo nosso visitou-me e deixou duas jóias de valor incalculável, para que as guardasse. São jóias muito preciosas! Jamais vi algo tão belo!
- O problema é esse! Ele vem buscá-las e eu não estou disposta a devolvê-las, pois já me afeiçoei a elas. O que você me diz?
- Ora mulher! Não estou entendendo o seu comportamento! Você nunca cultivou vaidades!... Por que isso agora?
- É que nunca havia visto jóias assim! São maravilhosas!
- Podem até ser, mas não lhe pertencem! Terá que devolvê-las.
- Mas eu não consigo aceitar a idéia de perdê-las!
E o rabi respondeu com firmeza: ninguém perde o que não possui. Retê-las equivaleria a roubo!
- Vamos devolvê-las, eu a ajudarei. Faremos isso juntos, hoje mesmo.
- Pois bem, meu querido, seja feita a vontade. O tesouro será devolvido. Na verdade isso já foi feito.
- As jóias preciosas eram nossos filhos.
- Deus os confiou à nossa guarda, e durante a sua viagem veio buscá-los. Eles se foram.
O rabi compreendeu a mensagem. Abraçou a esposa, e juntos derramaram lágrimas. Sem revolta nem desespero...

Os filhos são jóias preciosas que o Criador nos confia a fim de que as ajudemos a brilhar.
Não percamos a oportunidade de enfeitá-las de virtudes. Assim, quando tivermos que devolvê-las a Deus, que possam estar ainda mais belas e mais valiosas.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Mestre Samurai

A muito tempo no Japão antigo existia um Velho Samurai que morava em um pequeno vilarejo, seu nome era Hatori Hanzo. Foi um grande general do imperador, lutou inúmeras batalhas e guerras. Mas agora, estava velho e decidiu se ausentar já que não havia mais guerras e seu país estava em paz, neste vilarejo ele ensinava a arte de combate aos jovens e era respeitado e admirado por todos.
Certo dia chega um samurai mais jovem neste vilarejo procurando por Hanzo, sabendo que ele era um lendário samurai lança o desafio:
- Então você é o lendário Hatori Hanzo, não passa de um velho mas vim aqui desafiá-lo.
O velho samurai aceitou o desafio e ao amanhecer do dia seguinte foi ao centro do vilarejo onde estava seu desafiante, que arrogantemente blasfemou, xingou, cuspiu e ofendeu Hanzo.
O velho apenas ficou ajoelhado sem se mover ou dizer algo e sem se desviar das pedras que o seu desafiante atirava em sua direção. Logo entardeceu e todos estavam espantados pois "o lendário Hatori Hanzo estava com medo?!"
Depois de horas o jovem e arrogante samurai deu as costas frustrado e foi embora se vangloriando de uma vitoria que não existia.
Um dos jovens alunos de Hanzo se aproximou e perguntou:
- Mestre, o senhor poderia tê-lo vencido com apenas um golpe e ter calado aquele verme, por que ficou calado imóvel sem revidar?
Com um olhar paciente e um sorriso Hatori Hanzo respondeu ao seu aluno:
- Se alguém lhe oferecer um presente e você não aceitar, a quem o presente pertence?
O aluno responde:
- Ele pertencerá a ninguém mais do quem me ofereceu.
- Exato - responde Hanzo
- O mesmo acontece com alguém que te insulta, blasfema, chinga...se você não aceitar isto tudo retorna a quem lhe ofereceu.

Moral: A honra não está em vencer seu oponente com apenas um golpe, mas sim em ensinar-lhe a disciplina e o respeito através de superioridade moral. 
A maior batalha é aquela que não acontece.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Como Posso..

Como posso ser herói
Se em um minuto o mundo me vence?
Como posso vencer
Se me rendo sempre às garras da solidão?
Como posso querer felicidade
Se vivo de tristeza?
Como posso querer forças
Se a fraqueza me toma em seus braços?
Magias não existem,
Como posso então viver de truques de fantasias?
Gênios não existem para concederem desejos,
Mas existem desejos a serem concedidos
Para aqueles que vencem todos os obstáculos da ilusão.
Como querer subir ao pódio
Se não tenho uma vitória a homenagear?
Como posso querer parar de chorar
Se não tento sorrir?
Como posso desejar a vitória
Se de uma guerra eu fugir?
Como posso querer respostas
Se não pesquisar as origens de cada
Pergunta que a vida me faz?
Como posso viver, se vivo a espera da morte?
“A vida é assim, cheia de encontros e desencontros,
Mas são nossos passos que nos conduzem a cada momento!
Por isso, não se dê por vencido,
Antes de saber quem está nas mãos da vitória,
Pois ela pode estar desde o início em suas mãos.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justima

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Tenha A Coragem De Ser Original

- Por que você perde seu bom humor, fazendo essa confusão toda com seu cabelo? 
- perguntou meu pai, quando me encontrou chorando de raiva porque eu era muito menina, e não tinha a habilidade necessária para fazer o penteado em moda nos meus tempos de colégio.
- É a moda! 
- lamentei-me. 
- Só o meu nunca fica como os outros!
Olhando-me gravemente, meu pai ordenou: 
- Divida seu cabelo no meio, penteie-o para trás, e amarre-o como uma fita. Agora, use-o assim durante uma semana, e se metade das meninas de sua classe não copiarem você, eu lhe darei dez dólares.
Pensei comigo que ele era incrivelmente ingênuo. Dez dólares, porém eram uma fortuna a que não podia resistir, e o fiz.
Tivesse eu chegado à aula vestida com a camisola de dormir, minha agonia não teria sido maior. Mas quando a semana acabou, quase todas as meninas de minha classe estavam usando o cabelo separado simplesmente pelo meio, atado atrás com uma fita.
Meu pai disse, então: 
- Não seja vulgar! O mundo já tem bastante mediocridade. Nunca tenha medo de uma idéia própria, e, se ela for certa, siga para adiante com ela, sem se importar com o que faça todos os demais!
E, embora ele tivesse ganho a aposta, deu-me uma nota de dez dólares.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

A Paz Interior

Aconteça o que acontecer na sua vida, não perca a sua paz interior, ela é a força que você precisa para manter-se em equilíbrio mesmo durante as piores tempestades.
Nessa época de pessoas atormentadas por pesadelos, por frustrações e sonhos desfeitos, manter a paz é fundamental para não cair nas armadilhas da depressão.
A carga de informação que você recebe durante o seu dia, a pressão do trabalho, dos estudos e dos relacionamentos, acaba deixando seus nervos em pedacinhos.
Se você não estiver com o pensamento voltado para o seu bem estar, você não consegue manter o equilíbrio e ai, o seu fígado começa a sofrer as primeiras conseqüências, daí para as doenças do estômago como a gastrite, a úlcera e outros nomes não muito recomendáveis, é um passo.
É preciso que você coloque filtros em sua vida, e ao receber as notícias, sejam elas quais forem, analisar e rapidamente descartar o que não for realmente importante para sua caminhada.
Manter-se em paz é um exercício diário, porque muitos obstáculos estarão presentes no seu dia a dia, a começar pelo seu lar, onde sob o mesmo teto reúnem-se pessoas que não compartilham as mesmas idéias que você.
No trabalho outros problemas nos aguardam. Manter o emprego esta cada vez mais difícil, devido a enorme competição imposta pelas empresas entre os funcionários, tornando o clima às vezes "infernal e insuportável".
Para complicar tem o seu relacionamento que anda às vezes tão complicado por coisas tão bobas, que você fica pensando, será que vale a pena?
E quando você está a sós, fica imaginando que não nasceu para amar e ser amado, que os anjos te esqueceram e outras besteiras que a solidão causa.
Tudo isso e mais aqueles amigos que acreditam que você é poderoso e usam seu ombro como se fosse um grande muro das lamentações e deixam você mais carregado de energias nada boas.
Cuide-se enquanto é tempo. Para que sua paz continue, use estas regrinhas básicas:
- Use o bom senso ao ler as notícias.
- Pare de ir no embalo dos alarmistas de plantão.
- Ao entrar no local de trabalho, faça uma prece em silêncio e cumprimente a todos com alegria.
- Respeite-se, se não estiver com vontade de falar com ninguém, retire-se e pare de fingir que está tudo bem.
- Peça ajuda. Para ajudar alguém precisamos estar muito bem. Se você não estiver bem, esqueça, você vai prejudicar a você e a quem pediu ajuda. A paz é uma conquista daqueles que se amam.
- Ame-se pelo amor de você mesmo! Ninguém tem o direito de invadir a sua paz e se o estão fazendo é porque você está permitindo.
- Reveja seus atos. Para manter a sua paz vale tudo: banhos relaxantes, orações, terapias, e muito amor. A paz é um exercício diário.
- Sorria mais, relaxe, busque um cantinho dentro de você para ser feliz. Você é responsável pelo seu bem estar. Estando feliz, o outro seguirá o seu exemplo.
- Acredite em você.
- Valorize-se. Você merece muito mais do que tem hoje, e vai conquistar se mantiver seu pensamento voltado para suas conquistas, sonhos e desejos.
Só existem dois dias no ano em que nada pode ser feito. Um se chama ontem e outro amanhã. Portanto, hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer, e principalmente viver.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Coisas Da Vida

Que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isto.
Que levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la.
Aprendi que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam.
Que as circunstâncias e o ambiente têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.
Que ou você controla seus atos, ou eles o controlarão.
Aprendi que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.
Que paciência requer muita prática.
Que existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar isso.
Que algumas vezes a pessoa que você pensa que vai lhe dar o golpe mortal quando você cai, é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
Que só porque uma pessoa não o ama como você quer, não significa que ela não o ame com tudo o que pode.
Que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens:
seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
Que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém. Na maioria das vezes você tem que perdoar a si mesmo.
Que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido; o mundo não pára, esperando que você o conserte.”

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Verdadeiro Aprendizado

É hipocrisia dizer que aniversário significa maturidade; que o aprendizado é ligado somente aos erros cometidos; que errar é crescer.
Se todos crescêssemos e aprendêssemos com o que fizemos de errado haveria muitos sábios por aí.
O verdadeiro aprendizado é ligado à reflexão daquilo que foi ou não vivido.
Aprendi que quem tem amor tem tudo; seja familiar, namorado, amigos. O amor é o que move a vida e nos faz querer sermos melhor.
Aprendi que ser tachado de bonzinho nem sempre é ruim.
Aprendi que ser CDF é ótimo. Eles são os que se dão melhor na vida.
Aprendi que ler é enriquecimento a nossa vida, de tal maneira que ninguém consegue tirar
E que receber dinheiro por ser inteligente é a forma mais admirável de ficar rico.
Aprendi que traição e falta de lealdade são uma das maiores crueldades que se podem cometer ao coração de alguém.
Aprendi que a gente se sente muito mal quando nos julgam por certas atitudes; e quem dirá quando o fizemos a alguém.
E que olhar torto para alguém não nos faz melhor.
Aprendi que existem algumas coisas que não deveriam se guardar no coração, mas são grandes responsáveis pela nossa mutante ideologia.
Aprendi que correr atrás do que se quer é preciso sempre; ninguém o faz se não nós mesmos.
Aprendi que quem desrespeita idosos são pessoas frias.
E que os pais são as pessoas as quais a gente sonha ser igual.
Aprendi que sorrir e ser educado são a alegria do dia de alguém, sobretudo da própria realização pessoal.
Aprendi que somos eternos errantes. Estamos em incessante crescimento; e só não cresce quem tem a cabeça tão pequena a ponto de achar que o amadurecimento vem junto com os anos.

(Ana Paula Zandoná)
(Pensador)
Colaboração: Carlos E. Della Justina

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Primeira Lição

Numa época em que um sorvete custava muito menos que hoje, um menino de dez anos entrou numa lanchonete e sentou-se à mesa.
Uma garçonete colocou um copo de água na frente dele.
Quanto custa um sundae? 50 centavos.
O menino puxou as moedas do bolso e começou a contá-las.
Bem, quanto custa o sorvete simples?
A essa altura, mais pessoas estavam esperando para ser atendidas e a garçonete começava a perder a paciência.
35 centavos, respondeu-lhe, de maneira brusca.
O garoto, mais uma vez, contou as moedas e disse-lhe: Vou querer, então, o sorvete simples.
A garçonete trouxe o sorvete simples, colocou-o na mesa e saiu.
O menino acabou de tomar o sorvete, pagou a conta no caixa e saiu.
Quando a garçonete voltou, começou a chorar, à medida que ia limpando a mesa, pois ali, do lado da taça vazia de sorvete, havia 15 centavos em moedas, ou seja, o menino não pediu o sundae porque queria que sobrasse a gorjeta da garçonete.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

De Que Cor é Sua Vida

Azul como o mar e o céu…
Amarelo como o sol e o ouro…
Verde como as plantas na natureza…
Vermelho como o fogo e o rubi…
Branco como as nuvens…
Cinza como um céu chuvoso…
Preto como uma escuridão…
Marrom como a terra…
Transparente como a água…
Que cor é a sua vida? 
Você talvez não saiba,.
Mas a sua vida tem uma cor é a cor mais linda do mundo…
Uma cor que não desbota com o tempo, uma cor que reluz em todos os tons e que todos notam quando você está feliz.
Você já viu a cor da sua vida Não?
A sua vida tem a cor que você pinta…
Tem a cor que você quiser, só depende de você!
Por isso, Pinte sua vida! De azul, de amarelo, de vermelho de branco, de marrom, de preto, ou transparente.
Não importa a cor, Use quantas cores você desejar, deixe sua vida colorida sua felicidade estará ainda mais notada, Seu brilho aumentará;
E quando alguém olhar para você: verá que a sua vida é maravilhosa!
Pinte sua vida…
De todas as cores, Depois olhe o seu semblante, e veja como ele ficou ainda mais radiante…
Ainda mais lindo!

Texto de: Vilma Galvão
Colaboração: Carlos E. Della Justina

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Hoje Acordei Para Vencer

A auto-homenagem positiva logo pela manhã é um estímulo que pode mudar o seu humor, fortalecer sua autoconfiança e, pensando positivo, você reunirá forças para vencer os obstáculos.
Não deixe que nada afete seu estado de espírito.
Envolva-se pela música, cante ou ouça.
Comece a sorrir mais cedo.
Ao invés de reclamar quando o relógio despertar, agradeça a Deus pela oportunidade de acordar mais um dia.
O bom humor é contagiante: espalhe-o.
Fale de coisas boas, de saúde, de sonhos, com quem você encontrar.
Não se lamente, ajude as outras pessoas a perceber o que há de bom dentro de si.
Não viva emoções mornas e vazias.
Cultive seu interior, extraia o máximo das pequenas coisas.
Seja transparente e deixe que as pessoas saibam que você as estima e precisa delas.
Repense seus valores e dê a si mesmo a chance de crescer e ser mais feliz.
Tudo que merece ser feito, merece ser bem feito.
Torne suas obrigações atraentes, tenha garra e determinação.
Mude, opine, ame o que você faz.
Não trabalhe só por dinheiro e sim pela satisfação da “missão cumprida”.
Lembre-se: nem todos têm a mesma oportunidade.
Pense no melhor, trabalhe pelo melhor e espere pelo melhor.
Transforme seus momentos difíceis em oportunidades.
Seja criativo, buscando alternativas e apresentando soluções ao invés de problemas.
Veja o lado positivo das coisas e assim você tornará seu otimismo uma realidade.
Não inveje.
Admire! Seja entusiasta com o sucesso alheio como seria com o seu próprio.
Idealize um modelo de competência e faça sua auto-avaliação para saber o que está lhe faltando para chegar lá.
Ocupe seu tempo crescendo, desenvolvendo sua habilidade e seu tempo.
Só assim não terá tempo para criticar os outros.
Não acumule fracassos e sim experiências.
Tire proveito de seus problemas e não se deixe abater por eles.
Tenha fé e energia, acredite:
Você pode tudo o que quiser.
Perdoe, seja grande para os aborrecimentos, pobre para a raiva, forte para vencer o medo e feliz para permitir a presença de momentos infelizes.
Não viva só para seu trabalho.
Tenha outras atividades paralelas como: esportes, leitura…
cultive amigos.
O trabalho é uma das contribuições que damos para a vida, mas não se deve jogar nele todas as nossas expectativas de realizações.
Finalmente, ria das coisas à sua volta, ria de seus problemas, de seus erros, ria da vida:
“A gente começa a ser feliz quando é capaz de rir da gente mesmo”.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Asas

Muito tempo atrás…
Depois do mundo ser criado e da vida completá-lo, houve um dia, numa tarde de céu azul e calor ameno um encontro entre Deus e um de seus anjos.
Contam que Deus estava sentado, calado, sob a sombra de um pé de jabuticaba.
Lentamente Ele colhia uma ou outra fruta, saboreava sua criação negra e adocicada.
Fechava os olhos e pensava…
Permitia-se um sorriso piedoso,
Mantinha seu olhar complacente.
Foi então que, das nuvens, um de seus muitos arcanjos desceu e veio em sua direção…
Tinha asas lindas, brancas, imaculadas.
Ajoelhou-se aos pés de Deus e falou:
- Senhor, visitei sua criação como pediu, fui a todos os cantos.
Estive no sul, no norte, no leste e oeste, vi e fiz parte de todas as coisas…
Observei cada uma de suas crianças humanas, e por ter visto, vim até o Senhor para entender o porque…
Por que cada uma das pessoas sobre a terra tem apenas uma asa?
Nós anjos, temos duas…
Podemos ir até o amor que o Senhor representa sempre que desejarmos.
Podemos voar para a liberdade sempre que quisermos,
Mas o humano, com sua única asa, não pode voar,
Não podem voar com apenas uma asa…
Deus na brandura dos gestos, respondeu pacientemente ao seu anjo:
“Sim, eu sei disso.
Sei que fiz os humanos com apenas uma asa”
Intrigado com a consciência absoluta de seu Senhor, o anjo queria entender e perguntou:
“Mas porque o Senhor deu aos homens apenas uma asa quando são necessárias duas para poder voar, para poder ser livre?
“Conhecedor de todas as respostas, Deus não teve pressa de falar…
Comeu outra jabuticaba e então respondeu:
“Eles podem voar sim, meu anjo Dei aos humanos apenas uma asa para que eles pudessem voar mais e melhor que Eu ou vocês, meus arcanjos…
Para voar, meu amigo, você precisa de suas duas asas…
Embora livre, sempre estará sozinho.
Talvez da mesma maneira que Eu…
Mas os humanos…
Os humanos com sua única asa precisarão sempre dar as mãos para alguém a fim de terem suas duas asas.
Cada um deles tem na verdade, um par de asas, uma outra asa, em algum lugar do mundo que completa o par, assim eles aprenderão a respeitar-se, pois ao quebrar a única asa de outra pessoa podem estar acabando com suas próprias chances de voar.
Assim meu anjo, eles aprenderão a amar verdadeiramente outra pessoa…
Aprenderão que somente permitindo-se amar, eles poderão voar.
Tocando a mão de outra pessoa, em um abraço afetuoso, sincero, eles poderão encontrar a asa que lhes falta e poderão finalmente voar.
Somente através do amor irão chegar até onde estou…
Assim como você meu anjo, e eles nunca estarão sozinhos, quando forem voar”.
Deus silenciou em seu sorriso.
O anjo compreendeu o que não precisava ser dito.
Que possamos encontrar a nossa outra asa, para podermos voar!

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Pergunte-se

Você, que reclama o que não recebe, já pensou no que não dá?
Você, que se lamenta porque sofre, já pensou no quanto faz sofrer?
Você, que acusa a ignorância, já avaliou seus conhecimentos?
Você, que condena o erro, já percebeu quanto erra?
Você, que se diz amigo sincero, já se analisou com sinceridade?
Você, que se queixa da penúria, já viu quanto possui mais que os outros?
Você, que critica o mundo, já fez algo para melhorá-lo?
Você, que sonha com o céu, quanto já fez para extinguir o inferno?
Você, que se diz modesto, não terá orgulho de parecer humilde?
Você, que condena o mal, tem procurado difundir o bem?
Você, que deplora a indiferença, tem semeado o amor?
Você, que se aflige com a pobreza, tem usado bem suas riquezas?
Você, que se dói com os espinhos, tem cultivado rosas?
Você, que tanto lamenta as trevas, tem espalhado luz?
Você, que se ocupa consigo mesmo, tem se preocupado com os outros?
Você, que se sente tão pequenino, tem procurado crescer?
Você, que se queixa da solidão, tem buscado companhia de um amigo?
Você, que se revolta contra a doença, que tem feito pela saúde?
Você, que almeja a concórdia, tem combatido a discórdia?
Você, que se diz servo de Deus, tem servido para alguma coisa?

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

O Paradoxo Do Nosso Tempo


"O paradoxo do nosso tempo na história é que temos edifícios sempre mais altos, mas moralidades mais baixas, estradas sempre mais largas, mas horizontes mais restritos.
Gastamos mais, mas possuímos menos; 
compramos mais, mas alegramo-nos menos. 
Possuímos casas maiores e famílias menores; 
temos mais comodidades, mas menos tempo. 
Temos mais instrução, mas menos bom-senso; 
mais conhecimento, mas menos juízo; 
mais especialistas, e ainda mais problemas; 
mais remédios, mas menos bem-estar. 
Guiamos com mais velocidade, mas ficamos com mais raiva; trabalhamos até altas horas e levantamo-nos cansados; 
assistimos muito à televisão e rezamos raramente. 
Multiplicamos as nossas propriedades, mas reduzimos os nossos valores". 

Colaborações: Pe. Rafael Uliano;
Locutor: Carlos E. Della Justina

Citado pelo Reitor-Mor, dos Salesianos de Dom Bosco, Pe. Ángel Fernándes Artime.
- Boletim Salesiano SET/2014

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Ventos E Tempestades Da Vida

Um navio lançando a sua âncora no mar enfurecido.
Dificilmente existe uma coisa mais interessante ou sugestiva do que essa.
O navio dança sobre as ondas Parece estar sob o poder e à mercê delas.
O vento e a água se combinam para fazer do navio o seu brinquedo.
Parece que vai haver destruição; pois se o casco do navio for lançado sobre as rochas, será despedaçado.
Mas observamos que o navio mantém a sua posição.
Embora à primeira vista parecesse um brinquedinho desamparado à mercê dos elementos, o navio não é vencido.
Qual é o segredo da segurança deste navio?
Como pode resistir às forças da natureza com tanta tranquilidade?
Existe segurança para o navio no meio da tempestade porque ele está ancorado!
A corda à qual ele está amarrado não depende das águas, nem de qualquer outra coisa que flutue dentro delas.
Ela as atravessa e está fixada no fundo sólido do mar.
Não importa quão forte o vento sopre ou quão altas sejam as ondas do mar…
A sua segurança depende da âncora que está imóvel no fundo do oceano...
Muitas vezes nos sentimos no meio de uma tormenta, sendo jogados pelas ondas da vida para cima e para baixo e açoitados pelo vento da adversidade.
Parece-nos, às vezes, que não conseguiremos sobreviver a determinados períodos de nossas vidas.
Sem uma vida espiritual, a nossa vida é como um navio sacudido pelo mar enraivecido das circunstâncias incontroláveis da vida.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

terça-feira, 2 de setembro de 2014

A Verdadeira Riqueza

Um homem muito rico parecia ter uma vida muito boa, a vida que qualquer pessoa pediria a Deus.
Ele tinha um filho pequeno, seu único filho, futuro herdeiro.
Ele queria incutir naquele menino desde pequeno o desejo pelo status, aquela valorização das coisas, do dinheiro, das terras, das casas, propriedades.
Enfim, sobre os bens realmente valiosos da vida.
E ele disse ao seu filho:
- Meu filho hoje nós vamos viajar para a fazenda de um primo meu que é muito rico, e naquela fazenda moram também pessoas muito pobres e nós vamos passar um final de semana diferente.
Vamos ficar hospedados na casa da família mais pobre da fazenda.
Eu quero que você veja o quê é riqueza e o que é pobreza e aprenda a valorizar as coisas.
E eles foram aquele homem muito rico e seu filho pequeno.
Quando chegaram à fazenda, foram recebidos na casa sede pelo primo milionário, que logo em seguido os levou para a casa mais pobre do lugar.
Era uma casa de barro batido feita com pau-a-pique, o telhado era feito de capim, o chão a terra bruta e o forno era a lenha.
O dono da casa morava ali com sua mulher, mais quatro filhos e quatro cachorros.
Foi naquele lugar muito humilde que eles passaram o fim de semana.
Não tiveram nenhuma facilidade, do mesmo modo que aquela família vivia o homem muito rico e seu filho também viveram.
Terminado o final de semana, o menino se despediu dos quatro amiguinhos, o pai milionário se despediu do pobre colono.
E eles voltaram para a vida na cidade.
Foi quando o pai perguntou para o filho:
- E então meu filho, o quê você achou da viajem?
E o menino disse:
 -Muito boa papai!
- Viu só meu filho!
Você viu a diferença entre viver na riqueza e viver na pobreza?
- Vi sim papai.
- E o quê foi que você aprendeu meu filho?
- Papai eu vi que nós temos um cachorro em casa, e eles têm quatro.
Nós temos uma piscina que alcança até o meio do jardim, e eles têm em frente de casa um riacho que não dá para ver o fim.
Papai eu vi que nós temos uma varanda coberta e iluminada com lâmpadas, e eles têm as estrelas e a lua.
Papai o quintal da nossa casa vai até a rua, mas o deles é uma floresta inteira, que não tem fim.
E quando o menino disse isso o pai ficou olhando surpreso, e o menino concluiu:
- Obrigado papai, por me mostrar o quanto nós somos pobres!
Com a palavra daquele menino o homem rico parou para pensar.
E de fato, qual era a verdadeira riqueza e qual era a verdadeira pobreza?
Quem era mais feliz?
O colono que depois de um dia de trabalho, jantava satisfeito com muito apetite e dormia a noite toda, ou ele que chegava em casa e tomava whisky e calmante para dormir e mesmo assim acordava super cansado no dia seguinte.
Quem era mais feliz?
Os filhos daquele colono que podiam brincar no quintal, correr, nadar no riacho, ou seu filho que tinha horário pra tudo e uma vida tão difícil e controlada.
Quem era mais rico e quem era mais pobre?

Você não é rico por aquilo que possui!
Você não é rico por aquilo que têm!
Espiritualmente falando a verdadeira riqueza é daquele que têm Jesus no coração, que coloca o reino de Deus em primeiro lugar em sua vida.
A verdadeira riqueza não é material, e sim, espiritual. Reavalie o seus valores, revise todos os seus conceitos.
A vida de qualquer pessoa disse Jesus, não consiste na abundância do que possui.
E sim, em possuir o dono de todas as coisas!

Fonte: autoria Juanribe Pagliarin
Colaboração: Carlos E. Della Justina

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

A caixinha de Deus

Tenho em minhas mãos duas caixas que Deus me deu para guardar.
Ele disse:
- Coloque todas as suas tristezas na preta e todas as suas alegrias na dourada.
Eu entendi suas palavras e, nas duas caixas, tanto minhas alegrias quanto minhas tristezas guardei.
Mas, embora a dourada ficasse cada dia mais pesada, a preta continuava tão leve quanto antes.
Curioso, abri a preta.
Eu queria descobrir o porquê, e vi na base da caixa um buraco pelo qual minhas tristezas saiam.
Mostrei o buraco a Deus e pensei alto:
“Gostaria de saber onde minhas tristezas podem estar…
“Ele sorriu gentilmente para mim e disse:
- Meu filho, elas estão aqui comigo! 
Perguntei:
- Deus, por que deu-me as caixas?
Por que a dourada inteira e a preta com o buraco?
- Meu filho, a dourada é para você contar suas bênçãos…
E a preta é para você deixar ir embora suas mágoas e tristezas…
Lembre-se sempre de guardar seus momentos mais felizes e deixar ir embora as tristezas!!!

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina