Paginas

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A Fábula Do Beija-flor

Certo dia a mata estava pegando fogo, e um beija-flor começou a pegar água numa folha e jogar no fogo. 
Os outros animais disseram pra ele que ele estava ficando louco, pois sozinho não iria conseguir apagar todo aquele fogo. 
Ele respondeu que não conseguiria apagar o fogo sozinho, mas que estava fazendo sua parte.
Fazer nossa parte as vezes só não basta, precisamos convencer as pessoas que aquilo que estamos fazendo é certo. 
Que assim como um elo apenas não pode formar uma corrente, a união de um grupo em torno do mesmo objetivo é necessária para que esse algo possa ser feito.
Tomar como exemplo o João de Barro, assim como outras aves que mesmo sem ter mãos para carregar o necessário para a confecção de suas casas, vão em frente e fazem um lindo trabalho… É acreditar ser possível aquilo que parece impossível, é acreditar ter condições de ser feito, quando na maioria das vezes, parece não haver condições.
É fornecer a Deus ferramentas para que Ele possa nos ajudar, onde nossa força não nos permite. 
Dar-nos coragem onde fraquejamos. Conduzir-nos até nosso destino final.

Autor desconheço
Colaborador: Carlos E. Della Justina

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Nunca julgue

Um médico entrou no hospital com pressa depois de ser chamado… é uma cirurgia de urgência. Ele respondeu à chamada o mais rápido possível, trocou de roupa e foi direto para centro cirúrgico.
Ele encontrou o pai do menino indo e vindo na sala de espera do médico. Depois de vê-lo, o pai gritou:
“Por que você levou todo esse tempo para vir? Você não sabe que a vida do meu filho está em perigo? Você não tem senso de responsabilidade?”.
O médico sorriu e disse:
“Lamento, eu não estava no hospital e eu vim o mais rápido que pude depois de receber a ligação… E agora, eu gostaria que você se acalmasse para que eu possa fazer meu trabalho”.
“Acalmasse? Se fosse seu filho que estivesse nesta sala agora, iria se acalmar? Se o seu próprio filho morresse agora o que você iria fazer?”, Disse o pai com raiva.
O médico sorriu novamente e respondeu: Do pó viemos e ao pó voltaremos. Bendito. Os médicos não podem prolongar a vida. Vá e interceda por seu filho, vamos fazer o nosso melhor pedindo a Deus a proteção.
“Dar conselhos é fácil”, murmurou o pai.
A cirurgia levou algumas horas e depois que o médico saiu feliz, “Graças a Deus! Seu filho está salvo!”
E sem esperar a resposta do pai o medico saiu correndo. “Se você tem alguma dúvida, pergunte a enfermeira! Disse o medico.”
“Por que ele é tão arrogante? Ele não podia esperar alguns minutos para que eu pudesse perguntar sobre o estado do meu filho”, comentou o pai ao ver os enfermeiros minutos depois que o médico saiu.
A enfermeira respondeu, com lágrimas descendo em seu rosto: “Seu filho morreu ontem num acidente de viação, ele estava no enterro, quando o hospital o chamou para a cirurgia de seu filho. E agora que ele salvou a vida de seu filho, ele saiu correndo para terminar o enterro de seu filho.”.
Nunca julgue ninguém, porque você nunca sabe como sua vida é e ao que está acontecendo ou o que eles estão passando.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Aprendendo Com Os Erros

Na vida não precisamos acertar sempre, mas a cada dia errar menos. 
E é necessário que a cada erro, aprendamos o máximo possível para que esses erros tornem-se experiências aproveitáveis, das quais precisaremos no futuro, para não cometer os mesmo erros.
Mesmo sabendo que muitas dessas experiências machucam, nos trazem lembranças que fazem sofrer e que preferimos esquecer. Ainda assim, temos que ter consciência que devemos aproveitá-las para a cada dia errarmos menos e acertarmos mais. 
Porque a vida é assim, cheia de surpresa e precisamos aprender a conviver com ela, caso contrário, não conseguiremos ser alguém.
E certamente não estamos aqui por acaso, sem razão, à toa, sem um objetivo a conquistar. 
Estamos em busca de um espaço para deixarmos de ser mais um neste mundo. 
Por isso temos obrigação de aprender a viver e conviver com a realidade, tendo consciência de que em nossas mãos está o nosso futuro. 
Dependendo principalmente do que somos no presente, o que seremos neste futuro bem próximo.
Precisamos ter em mente algo muito importante: devemos ser sempre nós mesmos, respeitando ao nosso próximo como a si próprio.
Quando enxergarmos que isto está acontecendo, então sentiremos que nossos erros tornaram-se experiências. 
E que isso, é como um sinal de nosso amadurecimento. Ou seja, que deixamos de ser crianças e passamos a ser adultos, não no físico e sim no mental.

Autor desconheço
Colaboração: Carlos E. Della Justina